Segunda, 14 de Junho de 2021 16:00
(86) 9 9594-6614 / (86) 9 9865-1372
Brasil Brasil

Bia Kicis disse ao STF que assessor acampou com o Grupo dos 300

A parlamentar teria então pedido para ele se afastar do movimento, que chegou a atacar o Supremo com fogos de artifício em 2020

07/06/2021 21h06 Atualizada há 7 dias
Por: Redação Fonte: R7
Em depoimento no inquérito, assessor contradisse deputada - (Foto: Cleia Viana/Câmara dos Deputados-05/03/2020)
Em depoimento no inquérito, assessor contradisse deputada - (Foto: Cleia Viana/Câmara dos Deputados-05/03/2020)

Em depoimento à Polícia Federal no inquérito dos atos antidemocráticos, a deputada federal Bia Kicis (PSL-DF) admitiu que um de seus assessores acampou uma noite junto ao Grupo dos 300 do Brasil, que chegou a atacar a sede do STF (Supremo Tribunal Federal), em Brasília, com fogos de artifício. A informação consta em documento obtido com exclusividade pela Record TV, revelado depois que o ministro Alexandre de Moraes retirou o sigilo da investigação.

O Grupo dos 300 foi um dos protagonistas das manifestações em abril, maio e junho do ano passado que tiveram ameaças ao Supremo e pedidos de intervenção militar contra o Congresso Nacional.

"Indagada se tem conhecimento sobre algum de seus assessores terem financiado ou de alguma forma auxiliado o movimento 300 do Brasil, [Bia Kicis] respondeu que tem conhecimento de que um de seus assessores, de nome Evandro de Araújo de Paula, foi em uma noite dormir em uma chácara que estavam os integrantes do movimento", escreveram os investigadores

Ainda de acordo como documento, a deputada federal afirmou que teria então pedido ao assessor para se afastar ao movimento, no que teria sido "atendida prontamente". 

Evandro de Paul, porém, contradisse a deputada em seu depoimento à PF disse que, depois de acampar com o grupo por "no máximo dois dias", ainda axiliou os 300 no controle das caravanas dos estados por mais cinco dias. Depois dessa ajuda, o assessor afirmou ter se desvinculado totalmente do movimento.

A atuação deste grupo acabou na prisão de sua líder, a militante Sara Winter, depois do ataque ao STF com fogos de artifício. Os 300 ainda tentaram invadir o Congresso Nacional, no auge dos conflitos entre apoiadores do governo Bolsonaro e o STF. 

No resto do depoimento, a deputada também afirmou que conheceu "bem superficialmente" Sara Winter, durante visita ao gabinete do senador Magno Malta. Perguntada sobre sua relação com o Grupo dos 300, Kicis disse ter ido uma única vez ao acampamento dos militantes.

O R7 entrou em contato com a parlamentar, mas não recebeu resposta até a publicação desta matéria. 

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias