Quinta, 21 de Outubro de 2021
26°

Muitas nuvens

Teresina - PI

Tecnologia Tecnologia

Golpista vende cartão de crédito de terceiros em anúncio no Instagram

Preços variam de R$ 450 a R$ 1.200 de acordo com o limite; dados pessoais são usados ilegalmente para aplicar o golpe 

09/10/2021 às 07h47 Atualizada em 09/10/2021 às 08h02
Por: Redação Fonte: R7
Compartilhe:
Foto: Divulgação/ Internet
Foto: Divulgação/ Internet

Um perfil no Instagram está vendendo abertamente “cartões de terceiros”, ou seja, cartões de crédito que estão no nome de outras pessoas. O crime não se trata de uma clonagem, quando o cartão de uma vítima é duplicado, mas do uso indevido de dados pessoais.

Para alcançar um número maior de vendas, os criminosos fizeram até mesmo um post patrocinado. Esse é um recurso pago do Instagram que direciona uma publicação para usuários que podem ter mais interesse em um determinado produto ou serviço.

No vídeo obtido pelo R7, dezenas de cartões e várias máquinas para pagamentos são exibidos em uma mesa enquanto o suposto vendedor faz a propaganda: “Quem quiser pegar o cartão de terceiros é só chamar no privado. Eu trabalho na transparência mostrando meu nome, meu número, a data e meu material”.

Sem qualquer cerimônia, uma tabela de preços foi postada no perfil no dia 23 de agosto. O limite mínimo oferecido é de R$ 2.000, que sai por R$ 450.  Já para ter R$ 9.000 para gastar, o valor é de R$ 1.500.

Em outro vídeo, o criminoso ensina como funciona o esquema: "O cartão chega na casa do cliente já com a senha e desbloqueado. Depois é só estourar o limite e descartar".

Para tentar atrair mais interessados, vídeos de supostos clientes também são postados. “Confia! O cara é firmeza, promete e cumpre”, diz um homem segurando um cartão sem nem esconder o rosto. A publicação teve mais de 750 visualizações.

Existe uma alternativa para quem não quiser receber um cartão, mas ter apenas o dinheiro na conta. Nesse caso, é feita uma transação em uma maquininha e na sequência é solicitada a antecipação do valor para a empresa que administra o serviço. A quantia é enviada por Pix.

Com uma grande quantidade de notas de R$ 50 e R$ 100, uma voz feminina diz: “Acabei de sacar meu Pix de R$ 6 mil. Muito obrigada”. A postagem feita em 13 de setembro teve mais de mil visualizações.

"A estratégia mais provável é que esses criminosos tenham usado o número do RG e do CPF de outras pessoas para abrir contas laranjas e fazer a emissão desses cartões com o próprio banco”, explica Spencer Sydow, o presidente da Comissão de Direito Digital da OAB-SP.

Dados divulgados pelo Dfndr lab, laboratório de cibersegurança da PSafe, revelam que mais de 4.6 bilhões de credenciais foram vazadas somente nos seis primeiros meses de 2021. Nesse ritmo, o Brasil registra uma média de um golpe financeiro a cada 6 segundos.

Segundo Spencer, o golpe da venda de cartões de terceiros faz três vítimas: o banco, a operadora de cartão de crédito e a pessoa que teve os dados utilizados para abrir a conta.

Além dos envolvidos no esquema, os clientes também podem ser responsabilizados. “A pessoa que compra esse cartão está cometendo o crime de estelionato, ou seja, um golpe para obter uma vantagem patrimonial”, diz Sydow. "Quem compartilha um vídeo utilizando esses cartões ou sacando o dinheiro no caixa eletrônico também está cometendo o crime de apologia ao crime", completa.

O R7 procurou Instagram para se posicionar sobre o caso do uso de um post patrocinado para impulsionar a venda de cartões obtidos a partir de dados vazados ou roubados, mas não obteve resposta até a publicação da matéria.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias