Quinta, 03 de Dezembro de 2020 00:49
(86) 99527 0737
Economia PAUTAS

Congresso não deve votar pautas econômicas prioritárias até 2021

Os principais projetos previstos para os próximos dias envolvem medidas emergenciais pelo apagão no Amapá, projetos do governo e Orçamento

22/11/2020 11h27
Por: Redacao
Foto: reprodução/ divulgação
Foto: reprodução/ divulgação

A poucas semanas do fim do ano, o Congresso não tem muitas pautas econômicas previstas para votação. A maior parte da agenda liberal, com reformas estruturantes e privatizações, não deve ir para a frente nas próximas semanas ou nos próximos meses, mesmo depois das eleições municipais. Além de pautas emergenciais, como as relativas ao apagão do Amapá e a eventuais ajustes em políticas voltadas à covid-19, dificilmente outras matérias mais densas terão atenção dos parlamentares às vésperas de outro pleito importante: a escolha dos presidentes do Senado e da Câmara, em fevereiro.

As sessões, entretanto, devem voltar a acontecer. Na semana passada, depois de mais de um mês impedindo votações no plenário, a base aliada do governo na Câmara decidiu deixar de obstruir as sessões, com a expectativa de votar matérias que o Planalto considera prioritárias. O líder do governo na Câmara, Ricardo Barros (PP-PR), conversou com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), sobre a inserção de alguns itens na pauta. Entre eles, podem ser avaliados nos próximos 30 dias o que trata da cabotagem e o que prevê autonomia do Banco Central.

Pautas como reformas administrativa e tributária e PEC emergencial não estão na lista do Executivo, o que levou o presidente da Câmara a questionar os critérios para a escolha das prioridades. “Tem muitos projetos colocados na lista que são uma cortina de fumaça. Projetos bonitos, mas que não vão resolver nosso curto prazo. Com todo o respeito, projeto de cabotagem não vai resolver o problema do Brasil nos próximos seis meses”, disse, na última segunda-feira, 16.

O projeto em questão cria o Programa de Estímulo ao Transporte por Cabotagem, o BR do Mar, que altera regras para a navegação costeira e define regras mais flexíveis para afretamento de embarcações estrangeiras para uso na cabotagem. Já o da autonomia do Banco Central, entre outros pontos, prevê mandato fixo de quatro anos para presidente e diretores do BC e cria regras pra demissão dos dirigentes. O projeto foi aprovado pelo Senado no último dia 3, e agora depende do aval dos deputados para ir à sanção presidencial.

Uma proposta que está no radar na Câmara para os próximos dias, independentemente do governo, é a que cria compensação na conta de luz para consumidores prejudicados pelo apagão no Amapá. Aprovada na última quinta-feira pelo Senado, a proposta prevê que os moradores terão crédito equivalente ao valor cobrado na fatura desde 3 de novembro, quando o apagão começou, até o mês em que o problema for completamente resolvido. A compensação deve durar até o restabelecimento total dos serviços.

No Senado, nesta semana, está prevista a votação do projeto que revista a Lei de Recuperação Judicial e falências. Outro na pauta dos senadores para os próximos dias é o que propõe mudanças no Código Penal para fixar pena de reclusão de quatro a oito anos a quem praticar fraude por dispositivos eletrônicos ou de informática, conectados ou não à internet.

Sem expectativas

O analista político Creomar de Souza, da consultoria Dharma, acredita que poucas matérias devem avançar no fim do ano. Por duas razões: a primeira, o efeito gravitacional das eleições municipais nas capitais com o segundo turno; a segunda, a sucessão na presidência da Câmara e do Senado. O pleito para decidir quem substituirá Maia, na Câmara, e Davi Alcolumbre (DEM-AP), no Senado, acontece na primeira semana de fevereiro. Até lá, devem ser evitadas pautas polêmicas, que possam desagradar potenciais eleitores entre os parlamentares.

“Além disso, o governo segue tendo alguma dificuldade em termos de construção de uma articulação parlamentar de maior qualidade”, observa Souza. O analista político César Alexandre de Carvalho, da CAC consultoria, acredita que a agenda do governo só deve avançar em pautas que forem de interesse do Congresso. “Para este ano não há muito tempo. Resta o Orçamento para 2021 e tentativas de avanço em alguns temas. O que houver consenso no Congresso avança mais rápido”, explica.

Devem ficar para o ano que vem, por exemplo, as reformas tributárias da Câmara e do Senado. “A proposta do Paulo Guedes pode, no máximo, ter alguns pontos adicionados, caso seja de interesse do Congresso”, acredita Carvalho. Também não devem ir para a frente neste ano a reforma administrativa, o projeto que cria o Renda Cidadã e qualquer privatização. “Esses três temas são agenda do Bolsonaro, que encontram eco no Parlamento, mas ficam para 2021”, acredita o analista.

Pendências

As grandes pendências do fim do ano são o Orçamento de 2021 e a regulamentação do Fundo de Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb). O relator do projeto de lei que trata do Fundeb, Felipe Rigoni (PSB-ES), apresentou a versão preliminar do parecer na última quarta-feira, 18. O projeto ainda precisa ser avaliado pelo plenário da Câmara e, em seguida, pelo Senado. Mas, para que as novas regras do fundo comecem a valer, deve ser aprovado ainda este ano.

Outras matérias também precisam ser aprovadas em 2020, como a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO). Maia já avisou que o recesso parlamentar, que começaria em 22 de dezembro, deve ser suspenso neste ano, para que dê tempo de votar matérias urgentes. Para Maia, a PEC emergencial deve ser votada antes da Lei Orçamentária Anual (LOA), feita com base na LDO. Por isso, as discussões se estenderiam para janeiro e talvez fevereiro.

Ainda que a próxima semana não seja agitada, o período que seria de recesso terá movimento. Se depender dos planos do presidente da Câmara, o Congresso precisará aprovar a PEC emergencial, que exige aprovação de três quintos dos parlamentares em cada Casa, o que significa 308 deputados e 54 senadores. Em seguida, deve ser pautado o Orçamento, já com o teto de gastos resguardado de eventuais furos.

 

 

EXAME

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias