Quinta, 28 de Janeiro de 2021 05:52
(86) 99527 0737
Geral INCLUSÃO

Sine e Direitos Humanos da Sasc discutem políticas para público LGBTQIA+

Os órgãos desenvolverão ações para inserção dessa população no mercado de trabalho formal.

14/01/2021 12h26 Atualizada há 2 semanas
Por: Michele Amorim
Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

O superintendente de Intermediação de Mão de Obra do Sine, Daniel Carvalho, e membros da Gerência de Enfrentamento à LGBTfobia da Superintendência de Direitos Humanos da Secretaria de Estado da Assistência Social, Trabalho e Direitos Humanos (Sasc) reuniram-se, nessa terça-feira (12), para tratar sobre a inserção da população LGBTQIA+ no mercado de trabalho formal.

Também participaram da reunião, a coordenadora de Enfrentamento à LGBTfobia da Sasc, Marcela Braz; a gerente de Enfrentamento à LGBTfobia, Joseane Borges; a secretária-executiva do Centro de Referência para Promoção da Cidadania LGBT “Raimundo Pereira” (CRLGBT), Maria Laura, e a diretora de Inclusão Social, Celciana Ramos.

“O Sine tem como meta organizar o mercado de trabalho, promover e acompanhar a geração de empregos e, nesse aspecto, um ponto importante é estimular a inserção desse público, que ainda é tão marginalizado, no mercado de trabalho formal, com todos os direitos assegurados, inclusive com o uso do nome social”, explica Daniel Carvalho.

O superintendente de Intermediação de Mão de Obra do Sine lembra que “tanto o Sine como a Superintendência de Direitos Humanos fazem parte da Secretaria da Assistência Social, Trabalho e Direitos Humanos, então, isso facilita nosso trabalho. Nós continuaremos empenhados em garantir os direitos da LGBTQIA+ e lutar pela inserção desse público no mercado de trabalho formal”.

Fonte: Ccom
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Libertando olhares:uma questão de gênero
Sobre Libertando olhares:uma questão de gênero
Advogada Michele Amorim vê em Libertando Olhares: Uma questão de gênero um espaço destinado à produção de conteúdos relacionados a questões da violência familiar e de gênero. Destina-se ao público universitário em geral, com ênfase nos alunos e profissionais que atuam na área do Direito, e sobretudo ao público em geral em situação de vulnerabilidade.
Ele1 - Criar site de notícias