Sexta, 07 de Maio de 2021 01:11
(86) 99527 0737
Saúde Automedicação

Automedicação deve ser descartada na prevenção da Covid-19, diz CRF

"Os tratamentos padronizados, aceitos pela Anvisa e autorizados pelo Ministério da Saúde, passam por critérios rigorosos para aprovação, então somente após a autorização deles e recomendação médica, devem ser adotados. Não há como arriscar e se automedicar, ocasionando perigos à própria saúde", afirma.

22/04/2021 09h21
Por: Nunes
 Foto: CRF
Foto: CRF

O Conselho Regional de Farmácia do Piauí (CRF-PI), assim como todos os CRFs do país e Conselho Federal, realizam campanhas contínuas e frequentes contra o uso irracional de medicamentos, salientando os riscos das automedicação e em tempos de enfrentamento à pandemia, esses órgãos de saúde reforçaram o alerta à população para que não busque medicamentos preventivos ou de tratamento da Covid-19 sem a prescrição de um profissional da área.

O presidente do CRF-PI, Luiz Júnior, alerta que qualquer medicamento usado no tratamento ou prevenção da doença só deve ser utilizado quando prescrito por um profissional habilitado, caso contrário, corre-se mais risco do que a possibilidade de obter benefícios. "Os tratamentos padronizados, aceitos pela Anvisa e autorizados pelo Ministério da Saúde, passam por critérios rigorosos para aprovação, então somente após a autorização deles e recomendação médica, devem ser adotados. Não há como arriscar e se automedicar, ocasionando perigos à própria saúde", afirma.

Luiz explica que muitas pessoas estão se antecipando e correndo às farmácias atrás de medicamentos para prevenir o desenvolvimento dos sintomas, mas que esses protocolos podem trazer efeitos colaterais perigosos. "Os efeitos colaterais passam por cardiopatia, insuficiência renal, cegueira e segue uma lista extensa que podem causar graves danos à saúde. As pessoas não devem de maneira alguma se automedicarem, muitas vezes porque leram na internet ou nas redes sociais. Esses medicamentos não são de uso contínuo e muitas pessoas estão repetindo as doses com uma frequência curta", alerta.

"O tratamento realizado é das complicações que a infecção pode causar, caso a caso, principalmente em pessoas que precisam de cuidado hospitalar", esclarece Júnior.

Segundo o farmacêutico, a automedicação incorreta pode acarretar na evolução da doença que o paciente possa ter, mascarar os sintomas, prejudicando um diagnóstico precoce, além dos perigos causados pelos efeitos colaterais da medicação. "Não existe tratamento medicamentoso precoce contra a covid-19. Remédios como azitromicina, ivermectina, cloroquina não têm nenhuma evidência científica de benefício na prevenção contra covid-19 e ainda podem ter efeitos tóxicos indesejáveis, alguns potencialmente perigosos, e dessa forma, o melhor a fazer é buscar orientação do farmacêutico quando for à farmácia", revela.

"Acreditando no tratamento preventivo, as pessoas poderão demorar mais para procurar hospital, atrasando o diagnóstico e provocando complicações mais graves, além de negligenciar outros cuidados preventivos por confiarem que estejam protegidas pelos medicamentos", diz o farmacêutico.

Júnior destaca ainda, que a melhor forma de proteção contra a Covid-19, além das medidas preventivas já recomendadas, como higienização frequente das mãos e o distanciamento ou isolamento social, é preservar a imunidade, não se expondo a situações que baixem a capacidade do corpo de se autoimunizar, como o consumo de bebidas alcoólicas e outras drogas . "A imunidade está relacionada a uma prática de vida saudável e precisamos preservá-la com boa alimentação, prática de atividades físicas, evitar desidratação com ingestão frequente de água, tentar evitar o estresse, assim como, não ingerir fármacos sem necessidade e sem orientação profissional", enfatiza Luiz.

 

 

 

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias